quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Expertos de la UNESCO destacan la Alfabetización Mediática e Informacional como competencia clave para el siglo XXI

Sociedades del conocimiento.jpg
La reunión de expertos de la UNESCO previa a la Cumbre Mundial sobre Sociedades de la Información considera que la Alfabetización Mediática e Informacional (AMI) constituye el núcleo central de las competencias necesarias para afrontar el siglo XXI.  
Así lo han hecho saber en el primer encuentro previo a la Cumbre Mundial sobre Sociedades de la Información, que está teniendo lugar desde este lunes 25 de febrero en la sede de la UNESCO en París.
Los expertos señalan el papel esencial que estas juegan en la educación, en el aprendizaje a lo largo de la vida, la democracia y los derechos humanos. Así lo defendió la investigadora de la Universidad de Hong-Kong Alice Lee. 
De manera general, los expertos reclaman un concepto de AMI abierto al reconocimiento de la diversidad socio- cultural, en tanto necesidad universal. 
José Manuel Pérez Tornero, director del Gabinete de Comunicación y Educación, defendió en el encuentro la idea de que existen muchas AMI posibles, en depedencia del contexto y la cultura de que se trate. Por tanto, afirmó, "no podemos considerar que sólo hay un camino para la AMI; hay muchas opciones, y, muy probablemente algunas de estas opciones reflejarán conflictos de poder, económicos, y de todo tipo".
La investigadora argentina Roxana Morduchowicz se pronunció en el mismo sentido a favor de relacionar la AMI con las exigencias de democratización y ampliación de las libertades que viven muchos países en el mundo, especialmente en América Latina, los países árabes o Asia. 











También se reclamó una visión crítica ante las nuevas competencias mediáticas de los jóvenes. La llamada netgeneration puede ser un ejemplo para los adultos por sus capacidades técnicas y su desarrollo mediático. Sin embargo, "los jóvenes también requieren orientación y protección por parte de los adultos en este mundo virtual", puso de relieve el investigador egipcio Samy Tayie.
Esta opinión fue compartida por un grupo de estudiosos norteamericanos, que sostuvo la necesidad de que la AMI  fortalezca la comprensión del mundo por parte de los jóvenes. En muchas ocasiones las generaciones más jóvenes pueden tener dificultades para percibir la coherencia de tanta información fragmentada y dispersa que tienen disponible. 
La UNESCO ha reunido en su sede central de París a miles de expertos de todo el mundo sobre Sociedades de la Información a nivel mundial.
El subgrupo encargado de la AMI continuará trabajando y debatiendo en estos días en la posibilidad de crear indicadores sobre AMI, un ámbito en que la UNESCO viene trabajando desde hace años.
Fonte: Gabinete de Comunicación/ UAB (Gloria Baena - 27/02/2013)

Infância e Comunicação: Marcos legais e políticas públicas acontece dia 5 de março



Em sincronia com o Seminário Internacional Infância e Comunicação (de 6 a 8 de março), a ANDI - Comunicação e Direitos e seus parceiros realizarão, em 5 de março, de 9h às 18h, o evento Infância e Comunicação: Marcos Legais e Políticas Públicas. Aberto ao público e gratuito, não necessita de inscrição prévia.

O evento acontecerá no Congresso Nacional, em Brasília, com a participação de especialistas nacionais e internacionais, além de parlamentares identificados com a agenda temática. Ambos estarão também no seminário internacional que acontece no dia seguinte

Entre os temas a serem explorados estão Publicidade infantil, classificação indicativa e proteção da imagem da criança e do adolescente na mídia. Questões fundamentais para a garantia e a defesa dos direitos das crianças e adolescentes brasileiros e sobre as quais o parlamento possui um papel estratégico.

Nomes como Susan Linn (autora do livro Criança do Consumo), Cecilia von Feilitzen (coordenadora Científica da International Clearing House on Youth, Children and Media) e Marta Mauras (vice-presidente do Comitê da ONU sobre os Direitos da Criança) se juntarão ao debate com o objetivo de mostrar como a comunidade internacional está se mobilizando para garantir os direitos de meninos e meninas na esfera da comunicação e como o Brasil pode utilizar a experiência externa para construir e aprimorar seus marcos legais. 
Durante o encontro também serão apresentados três papers desenvolvidos exclusivamente para o evento. Um deles busca identificar oportunidades de convergência de esforços para promover o reconhecimento das indústrias de tabaco e de alimentos ultra-processados como vetores de doenças. Outro demonstra a importância do Estado na elaboração e implementação de medidas de restrição à publicidade e ao marketing dirigido às crianças. E o terceiro estudo tem como objetivo jogar luz no debate sobre as práticas de auto-regulação no campo da classificação indicativa.
O evento acontece no momento em que pautas como classificação indicativa e publicidade infantil estão ganhando destaque e visibilidade em função da crescente influência da mídia nas sociedades contemporâneas, em especial junto ao público infanto-juvenil. Por isso, a necessidade constante de aperfeiçoamento dos marcos legais e políticas públicas referentes ao setor.
Quem realiza
A iniciativa é uma realização da ANDI – Comunicação e Direitos, da Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente (órgão da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República), da Secretaria Nacional de Justiça (órgão do Ministério da Justiça) e do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda).
O encontro também articula os esforços de três Frentes Parlamentares da maior relevância: a dos Direitos Humanos da Criança e do Adolescente; a pela Liberdade de Expressão e o Direito à Comunicação com Participação Popular; e a pela Cidadania LGBT.
Programação
Infância e Comunicação: Marcos legais e políticas públicas

05 de março de 2013 (terça-feira)
MANHÃ

9h – Mesa de Abertura Institucional
 Senador Renan Calheiros (PMDB-AL) – Presidente do Senado Federal
 Deputado Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN)  – Presidente da Câmara dos Deputados
 Senadora Lídice da Mata (PSB-BA) e Deputada Érika Kokay (PT-DF)
– representantes da Frente Mista dos Direitos Humanos da Criança e do Adolescente
 Deputada Luiza Erundina (PSB-SP) – representante da Frente Parlamentar pela Liberdade de Expressão e o Direito  à Comunicação com Participação Popular
 Deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) – representante da Frente Parlamentar Mista pela Cidadania LGBT
 Maria do Rosário Nunes – Ministra da Secretaria de Direitos Humanos
 José Eduardo Cardozo – Ministro da Justiça
 Maria Izabel da Silva – Presidente do Conanda
 Aurélio Rios – Procurador Federal dos Direitos do Cidadão do Ministério Público Federal
 Gary Stahl – Representante do Unicef no Brasil
 Cenise Monte Vicente – Presidente do Conselho da ANDI

10h – Mesa sobre Publicidade Infantil
 Susan Linn (Diretora Associada do Centro de Mídia Infantil Judge Baker, em Boston, e autora do livro  Criança do Consumo – Estados Unidos)
 Juliana Pereira da Silva (Secretária Nacional do Consumidor  do Ministério da Justiça – Brasil)

 Pedro Hartung (Advogado da área de Defesa do Instituto Alana)
 Paula Johns (Diretora executiva da Aliança de Controle do Tabagismo – ACTbr) e  Fabio Gomes (Secretário de Relações Exteriores da Associação Mundial de Nutrição e Saúde Pública / Nutricionista do Instituto Nacional de Câncer)
 Dep. Nazareno Fonteles (Deputado Federal – PT-PI)
 Coordenação: Senadora Lídice da Mata (PSB-BA)

TARDE
14h – Mesa sobre Classificação Indicativa 
 Cecilia von Feilitzen (Coordenadora Científica da International Clearing House on Youth, Children and Media – Suécia)
 Paulo Abrão (Secretário Nacional de Justiça do Ministério da Justiça – Brasil)
 Fernando Paulino (Professor do Laboratório  de Políticas de Comunicação – LaPCom – da Universidade de Brasília – UnB)
 Dep. Paulo Henrique Lustosa (Deputado Federal – PMDB-CE)
 Coordenação: Deputada Luíza Erundina (PSB-SP)

16h  – Mesa sobre Proteção da Imagem da Criança e do Adolescente na Mídia (com foco especial no Adolescente em Conflito com a Lei)
 Marta Mauras (Vice-Presidente do Comitê da ONU sobre os Direitos da Criança – Suíça)
 Angelica Goulart  (Secretária Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República – Brasil)
 Deputado Jean Wyllys  – PSOL-RJ (Frente Parlamentar Mista pela Cidadania LGBT)
 Coordenação: Deputada Erika Kokay (PT-DF)

Serviço:

O quê: Evento Infância e Comunicação: Marcos Legais e Políticas Públicas
Quando: 5 de março de 2013, das 9h às 18h
Onde:
Manhã (9h às 12h): Plenário 2 (Corredor das Comissões)
Tarde (14h às 18h): Auditório Antonio Carlos Magalhães (Interlegis)
Saiba mais em http://goo.gl/OSuGu.

Viração convida parceiros para Assembléia Geral anual dia 28/02


CONVOCAÇÃO: A Viração Educomunicação realiza Assembleia Geral no dia 28/02, em São Paulo e convida amigos, parceiros e associados a participarem!

A Assembleia Geral Anual acontece na quinta-feira, 28, a partir das 19 horas, na sede da organização, à Rua Augusta, 1239 – conjunto 11, em São Paulo (SP). Para quem não estiver na cidade, o encontro terá transmissão ao vivo via streaming pelo sitehttp://www.ustream.tv/channel/assembleia-de-10-da-viracao.

Na ocasião, será apresentado um balanço das atividades e ações realizadas em 2012, além de discutir o processo de eleição da nova diretoria institucional, prevista para acontecer em julho deste ano. A reunião também marca o início das comemorações dos 10 anos da Viração, que terá atividades espalhadas pelo Brasil.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

De 6 a 8 de março Brasília recebe especialistas nacionais e internacionais para discutir Infância e Comunicação



Entre 6 e 8 de março cerca de 250 convidados nacionais e internacionais estão em Brasília no Seminário Internacional Infância e Comunicação - Direitos, Democracia e Desenvolvimento, organizado pela ong ANDI Comunicação e Direitos em parceria com a Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente (SNPDCA), a Secretaria de Direitos Humanos (SDH) e a Secretaria Nacional de Justiça (SNJ), do Ministério da Justiça (MJ); e o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda), além de contar com o patrocínio da Petrobras e apoio da Fundação Ford.  

O evento faz parte do projeto de cooperação técnica Liberdade de Expressão, Educação para Mídia, Comunicação e os Direitos da Criança e do Adolescente, desenvolvido pela SNJ, com a Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores e a UNESCO. 

Entre os tópicos a serem discutidos estão as diferentes formas pelas quais os meios de informação e comunicação impactam os processos de desenvolvimento – tanto do ponto de vista da inclusão social quanto da sustentabilidade – , marcos legais referentes ao setor, classificação indicativa, qualidade da mídia para crianças e adolescentes e participação desse público, responsabilidade social empresarial e educação para a mídia.

Programação das principais palestras e debates

Dia 06/03 

14h30
Mesa de abertura institucional
Cenise Monte Vicente (Presidente da ANDI - Comunicação e Direitos), 
Alexandre Schuh (coordenador de Relações Comunitárias da Petrobras), 
Mauro Porto (assessor de Programa da Fundação Ford), 
Gary Stahl (representante do UNICEF no Brasil), 
Wanderlino Nogueira (membro do Comitê dos Direitos da Criança da ONU), 
Aurélio Virgilio Veiga Rios (procurador federal dos direitos do cidadão da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão – PFDC) 
Com a presença de José Eduardo Cardozo (ministro da Justiça – Ministério da Justiça), 
Maria do Rosário (ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República – SDH/PR) e de representante do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda)

16h30
Talk show: A Mídia como Ferramenta de Inclusão Social
  • Edison Lanza (diretor da CAInfo – Uruguai)
  • Aida Doggui Moreno (coordenadora do Movimento Byrsa – Tunísia)
  • Cecilia von Feilitzen (coordenadora científica da International Clearinghouse on Youth, Children and Media – Suécia)
  • Guillermo Mastrini (professor da Universidade de Buenos Aires e coordenador da pesquisa “Jornalistas e Magnatas” – Argentina)
  • Guilherme Canela (assessor de Comunicação e Informação para o Mercosul e Chile – UNESCO)
  • Mediação: Warren Feek (diretor de The Communication Initiative – Canadá)
Dia 07/03

8h30
Classificação Indicativa: Fortalecendo Padrões Democráticos na Garantia dos Direitos da Infância
  • Frank William La Rue (relator das Nações Unidas para a Liberdade de Opinião e Expressão – Guatemala)
  • Paulo Abrão (titular da Secretaria Nacional de Justiça do Ministério da Justiça – Brasil)
  • Marta Mauras (vice-presidente do Comitê da ONU sobre os Direitos da Criança – Chile)
  • Problematização: María Dolores Souza (integrante do Conselho Nacional de Televisão – Chile)
  • Mediação: Mauro Porto (oficial de Programas para Direitos e Acesso à Mídia da Fundação Ford – Brasil)
10h30
Debate com a plateia
  • Interação da plateia com 3 especialistas e debatedor
  • Mediação: Mauro Porto (oficial de Programas para Direitos e Acesso à Mídia da Fundação Ford – Brasil)
14h
Sala 1: GT 1 – Educação para a Mídia: o Papel da Escola, das Empresas de Comunicação e da Sociedade Civil
  • Divina Frau-Meigs (assessora do Conselho da Europa e da Unesco e professora de Estudos Americanos e Sociologia da Mídia na Universidade da Sorbonne Nouvelle – França)
  • Mike McCluskey (ex-diretor executivo da Rádio Austrália da Radio Australia – Australia Broadcasting Corporation)
  • Ismar Soares (coordenador do Núcleo de Comunicação e Educação da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo e supervisor do Projeto Mídias na Educação – Brasil)
  • Rosa Maria Alfaro (presidente do Conselho Consultivo de Rádio e Televisão – ConcorTV; fundadora da Associação Calandria de Comunicadores Sociais – Peru)
  • Mediação: Mônica Gardelli Franco (diretora de Formação de Conteúdos Educacionais do Ministério da Educação – Brasil)
14h
Sala 2: GT 2 – Os Desafios das Novas Mídias: Inclusão Digital e Proteção da Infância
  • Cristina Ponte (professora da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa – Portugal)
  • Alexandre Barbosa (gerente do Centro de Estudos sobre as TICs do Comitê Gestor da Internet – Brasil)
  • César Bonannote (pesquisador e professor da Universidade de Buenos Aires - Argentina)
  • Susie Hargraeves (presidente  da IWF - Internet Watch Foundation – Reino Unido)
  • Mediação: Rodrigo Nejm (diretor de Prevenção da Safernet – Brasil)
14h
Sala 3: GT 3 – Convergências de Plataforma: Inovações e Oportunidades para os Países Emergentes
  • Sue Goldstein (diretora de Programa do Soul City Institute for Health and Development Communication – África do Sul)
  • Jorge Baxter (diretor de Educação Global do Sesame Workshop – EUA)
  • André Barbosa Filho (superintendente de Suporte da EBC – Empresa Brasil de Comunicação – Brasil)
  • Brian O'Neill (diretor do Instituto de Tecnologia de Dublin/EU Kids Online – Irlanda)
  • Mediação: James Görgen (assessor especial do Ministério das Comunicações – Brasil)

Dia 08/03


8h30
Qualidade da Informação e Autorregulação: Desafios para o Século XXI

  • Chris Elliott (ombudsman do jornal The Guardian - Reino Unido)
  • Suzana Singer (ombudsman do jornal Folha de S.Paulo - Brasil)
  • Luiz Carlos Azedo (Jornalista do Correio Braziliense - Brasil)
  • Eugenio Bucci (Jornalista; colunista da revista Época - Brasil)
  • Fatima Pacheco Jordão (diretora do Instituto Patrícia Galvão - Brasil)
  • Luiz Gustavo Pacete (Repórter Sem Fronteiras - Brasil)
  • Representante da ANJ - Associação Nacional de Jornais - Brasil
  • Mediação: Ricardo Corredor (diretor executivo da FNPI - Fundação Nuevo Periodismo Iberoaméricano - Colômbia)
10h30
Debate com a plateia
Interação da plateia com os palestrantes.
  • Mediação: Ricardo Corredor (diretor executivo da FNPI – Fundação Nuevo Periodismo Iberoamericano - Colômbia) 
14h
Sala 1: GT 4 – Publicidade Dirigida à Infância: Desenvolvimento Sustentável e Padrões de Consumo
  • Shahriar Coupal (diretor de Política e Prática de Propaganda da Advertising Standards Authority – Reino Unido)
  • Clóvis de Barros Filho (professor da Universidade de São Paulo e Membro do Conselho do Instituto Alana – Brasil)
  • Jaime Delgado (deputado do Parlamento Nacional – Peru)
  • Susan Linn (diretora da Campanha por uma Infância Livre de Consumo – Estados Unidos)
  • Mediação: Tamara Amoroso Gonçalves (Coordenadora Geral de Consultoria Técnica e Processos Administrativos do Ministério da Justiça – Brasil
14h
Sala 2: GT 5 – Cobertura Jornalística: Boas Práticas na Garantia de Direitos
  • Marcelo Canellas (repórter especial da Rede Globo de Televisão – Brasil)
  • Ximena Norato (diretora da PANDI - Agencia de Comunicaciones Periodismo Aliado de la Niñez – Colômbia)
  • Miriam Larco Sicheri (integrante do Conselho Consultivo de Rádio e Televisão – ConcorTV – Peru)
  • Leonardo Cavalcanti (editor do caderno Brasil do jornal Correio Braziliense – Brasil)
  • Mediação: Marcio Schiavo (vice-presidente do Conselho da ANDI, presidente da Comunicarte e diretor do Population Media Center – Brasil)
14h
Sala 3: GT 6 - Mídia de Qualidade e Participação de Crianças e Adolescentes
  • Leon Willems (diretor da Free Press Unlimited e Presidente do GFMD – Global Forum for Média Development – Holanda)
  • Rebeca Cueva (diretora da ACNNA – Agencia de Comunicación de Niñas, Niños y Adolescentes – Equador)
  • William Bird (diretor do Media Monitoring Project – África do Sul)
  • Adelaida Trujillo (diretora do Compromisso por uma TV de Qualidade para a Infância e diretora da Citurna Producciones e da CILA – Colômbia)
  • Alex Pamplona (representante da Rede Nacional de Adolescentes e Jovens Comunicadores no Conselho Nacional da Juventude - Conjuve e mobilizador na região Norte – Brasil)
  • Mediação: Angélica Moura Goulart (secretária Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, da Secretaria de Direitos Humanos – Brasil)
Fonte e mais informações: http://infanciaecomunicacao.andi.org.br

UFPR Litoral promove I LINCOM - Seminário de Linguagens, Mídias e Educação




Entre 6 e 10 de maio a UFPR Litoral, localizada em Matinhos, realiza o I  LINCOM  - Seminário de Linguagens, Mídias e Educação, promovido pela Câmara de Licenciatura em Linguagem e Comunicação do Setor Litoral da Universidade Federal do Paraná.

O objetivo do seminário é construir um espaço dialógico entre discentes, docentes, profissionais e produtores artístico-culturais nas diversas ações de ensino, pesquisa e extensão no campo das diversas linguagens, literatura, educomunicação, mídia-educação e formação docente.

As inscrições são gratuitas e deverão ser feitas exclusivamente pelo link 
https://sites.google.com/site/seminariolincom/.  Os  prazos  e  procedimentos
específicos são os seguintes:

I)  Com coordenação de simpósio (até dois autores/duas autoras): os resumos deverão ser  encaminhados via e-mail (vide a seção de normas) entre os dias 18 de fevereiro e 15 de março;
II) O comitê científico comunicará aos proponentes o aceite do resumo até o dia 21 de março e disponibilizará na página do evento no dia 22  de março os simpósios aprovados;
III)  Com  apresentação  de  trabalhos  (até  três  autores/autoras): os resumos deverão ser  encaminhados via e-mail (vide a seção de normas) do dia 25 de março até às 12h00 do dia 26 de abril;
IV) O comitê científico encaminhará os pedidos de inscrição de trabalho aos coordenadores de simpósio que deverão manifestar a aprovação do trabalho até o dia 30 de abril. Os resumos referentes aos pôsteres serão  avaliados  diretamente  pelo  comitê  científico.  Os  propositores cujos  trabalhos  não  tenham  sido  aprovados  poderão  participar  do  
trabalho como ouvintes. A divulgação da composição dos simpósios e pôsteres será publicada até o dia 02 de maio;
V) Sem apresentação de trabalhos: até às 12h00 do dia 06 de maio de 2013.

As formas de participação são: pôster e  simpósio. Na primeira, os apresentadores serão alocados nas proximidades do espaço reservado para as conferências e deverão permanecer ao lado do pôster no horário definido para dialogar com os participantes do evento sobre o trabalho. Na segunda, os participantes submeterão seus trabalhos à aceitação dos coordenadores do simpósio, conforme os procedimentos supracitados.

Serão  aceitos  como  coordenadores  de  simpósio:  professores universitários;  pesquisadores  com  titulação  stricto  sensu  (mestrado/doutorado); discentes de programas de pós-graduação stricto sensu; docentes da rede estadual paranaense vinculados ao Programa de Desenvolvimento Educacional (PDE).

O Eixo Temático I versará nas seguintes linhas:
a) Estudos da Linguagem;
b) Estudos Literários;
c) Estudos de mídia-educação e educomunicação;
d) Produções artístico-culturais e múltiplas leituras.

O Eixo Temático II abrangerá as seguintes linhas:
a) Novas Tecnologias da Informação e Comunicação (NTIC) aplicadas à 
educação;
b)  Práticas  pedagógicas  inovadoras  no  processo  de  ensinoaprendizagem de línguas;
c) Formação inicial e continuada de professores de línguas;
d) Língua Brasileira de Sinais (Libras), Educação inclusiva e diversidade;

Mais informações: http://www.litoral.ufpr.br/sites/default/files/edital_chamada_trabalhos.PDF

UFU realiza I Semana da Educomunicação

A I Semana da Educomunicação da Universidade Federal de Uberlândia será de 25 a 28 de fevereiro, das 19h às 21h, no Anfiteatro 5O do Campus Santa Mônica da UFU. 

As inscrições devem ser realizadas pelo site www.petcnxed.prograd.ufu.br. Haverá emissão de certificado.




terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Profº Ismar Soares, da USP, faz parte da equipe que prepara texto base do Diretório de Comunicação da CNBB

O professor Ismar de Oliveira Soares e a doutoranda Helena Corazza fazem parte da equipe que prepara o texto base do Diretório de Comunicação da CNBB.


DiretorioCNBB08022013
Começou nesta sexta-feira (08/02), na Central Paulinas, em São Paulo, a reunião da equipe de assessores que está produzindo o texto-base do Diretório de Comunicação da CNBB, a ser discutido na Assembleia Geral dos Bispos do Brasil, de 10 a 19 de abril deste ano, em Aparecida (SP). Depois de várias reuniões no ano passado, a equipe redigiu a primeira versão do texto, que foi enviada aos bispos de todo o Brasil para análise e aportes.
Nesta primeira reunião de 2013, que seguirá até domingo (10/02), a equipe está analisando todas as contribuições recebidas, tanto dos bispos como de outros setores e pastorais da CNBB. A proposta é enriquecer o texto com essas contribuições e enviá-lo ao episcopado brasileiro pelo menos 15 dias antes do início da Assembleia Geral.
Sob coordenação de dom Dimas Lara Barbosa, responsável pelo Setor de Comunicação Social da CNBB, e da Ir. Élide Fogolari, Assessora de Comunicação da CNBB, estão reunidos os seguintes membros da equipe: dom Luiz Mancilla Vilela - Arcebispo de Vitória (ES), dom João Bosco Barbosa de Souza - bispo de União da Vitória (PR), Pe. Clovis Andrade de Melo, Pe. Gildásio Mendes, Pe. Manuel Quinta, Pe. Gregório Lutz, Ir. Helena Corazza, Ir. Joana Puntel, Maria da Luz Feernandes, Rosane Borges, Ismar de Oliveira Soares e Elson Faxina.
Fonte: CNBB

Projeto Mais Educomunicação foi contemplado com edital do Instituto C&A



Projeto Mais Educomunicação, proposto pela Viração Educomunicação e Rede Nacional de Adolescentes e Jovens Comunicadores (Renajoc), foi um dos contemplados com o edital do programa Redes e Alianças do Instituto C&A, que esteve aberto entre 5 de novembro e 20 de dezembro de 2012, tendo acolhido 167 inscrições vindas de instituições de 20 Estados e do Distrito Federal.

Por meio do edital, foram selecionados projetos elaborados por redes, coletivos de instituições, movimentos, grupos de trabalho, fóruns e coalizões, geridos e desenvolvidos coletivamente por instituições sociais articuladas entre si. Tal composição é chamada pelo Instituto C&A de “projeto de rede”. O conceito de rede, por sua vez, é entendido como um padrão organizacional produzido por dinâmicas de conectividade, no qual agentes autônomos (pessoas e/ou instituições) se interligam de forma horizontal para cooperar.
Os projetos selecionados realizarão ações de atuação social em redes voltadas à educação da criança e do adolescente relacionadas à promoção de direitos, à defesa de direitos e/ou ao controle social. Os projetos serão desenvolvidos entre fevereiro e dezembro de 2013. Cada iniciativa escolhida receberá até R$ 160 mil em apoio.
O processo de seleção foi conduzido por um comitê de seleção formado por pessoas indicadas pelo Instituto C&A, com experiência na área de redes. Entre os critérios de seleção estavam a consistência da proposta e relevância das ações relativas ao tema da educação de crianças e adolescentes, a presença de instâncias colaborativas e de formação técnica e política do grupo, visão e modus operandi para o trabalho colaborativo com outras organizações-membro da rede, composição de equipe de trabalho e distribuição de responsabilidades para operacionalização do trabalho em rede e da rede e viabilidade financeira.
O programa Redes e Alianças do Instituto C&A visa promover a cooperação, a convergência e a multiplicação de esforços entre instituições, organizações e pessoas, de modo a contribuir para a garantia do direito à educação das crianças e dos adolescentes no Brasil.
Veja abaixo a relação de iniciativas selecionadas no edital para apoio a projetos de atuação social em rede em 2013:
* Projeto Aliança Nacional dos Adolescentes contra a Exploração Sexual, proposto pela Associação Barraca da Amizade, de Fortaleza (CE).
* Projeto Construindo em Rede: Elaboração do Plano Municipal pela Primeira Infância em Nova Iguaçu, proposto pela Solidariedade França-Brasil, do Rio de Janeiro (RJ).
* Projeto de Mobilização e Monitoramento das Políticas Públicas de Educação na Rede Chapada e Semiárido, proposto pelo Instituto Chapada de Educação e Pesquisa, de Palmeiras (BA).
* Projeto Medida de Paz, proposto pela Agência de Notícias da Infância Matraca, de São Luís (MA).
* Projeto Observatório da Criança e do Adolescente (OCA), proposto pelo Instituto de Estudos Socioeconômicos, de Brasília (DF).
* Projeto Mais Educomunicação, proposto pela Viração Educomunicação, de São Paulo (SP).
* Projeto Fórum das Juventudes da Grande BH, proposto pela Associação Imagem Comunitária, de Belo Horizonte (MG).
* Projeto Rede Escola Cidadã, proposto pela Fundação Instituto para o Desenvolvimento da Amazônia (Fidesa), de Belém (PA).
Fonte: Licenciatura em Educomunicação/ ECA-USP (http://www.cca.eca.usp.br/cca_noticia/1720)

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Entrevista com a professora e pesquisadora argentina Silvia Bacher

Entrevista com a professora e pesquisadora argentina Silvia Bacher, autora do livro "Tatuados por los Medios - Dilemas de la educación en la era digital". Bacher compreende a comunicação como um direito humano habilitante ao exercício de muitos outros direitos. O vídeo é uma produção do curso de Educomunicação da ECA/USP.



>

Projeto educomunicativo produz revista colaborativa pela web

Projeto educomunicativo produz revista colaborativa pela webCom câmeras, celulares e bloquinhos nas mãos, os estudantes que acompanharam –e fizeram a cobertura- da mesa “Educomunicação e inclusão social pela tecnologia” na última edição da Campus Party, integram o grande grupo de jovens que vêm fazendo uso de conceitos e ferramentas da comunicação no processo de aprendizagem. 

Com a presença de Alexandre Sayad, autor do livro Idade Mídia, Ismar Soares, coordenador do Núcleo de Comunicação e Educação da ECA-USP, Carlos Alberto Mendes, coordenador do programa Nas Ondas do Rádio, Jonas Suassuna, CEO do Grupo Gol, e Lilian Romão, jornalista e diretora da Revista Viração, a mesa apresentou projetos que compõem o panorama da educomunicação no país. 

A aluna Thalita Moreira, de 17 anos, foi além da cobertura e subiu ao palco para falar sobre sua participação na Revista Viração, totalmente planejada e executada por jovens do Brasil inteiro. O projeto nasceu em 2003, com o propósito incentivar a mobilização de jovens em torno de temas ligados à transformação sócio-ambiental. Hoje a Viração se tornou uma organização social e se expandiu para outros projetos, como a Agência Jovem de Notícias e o Quarto Mundo

Projeto colaborativo, a revista agrega grupos de jovens pela web, que enviam as pautas e outras sugestões de suas cidades e ainda encontra braços fora do país. “Eles geralmente se revezam na produção e nas editorias, para poderem participar de todas as partes do processo e falarem sobre diferentes assuntos”, conta Lilian. Ainda há um grupo que trabalha presencialmente em São Paulo, que reúne e edita os conteúdos recebidos. 




As pautas passam por comportamento, cultura, música e política, sempre relacionando o impacto de determinado assunto na vida do jovem. “Escrevi uma matéria sobre sexualidade, junto com outros colegas da Vira, foi muito informativo e descobri muitas coisas que não conhecia”, exemplifica Thalita. Na edição de janeiro, por exemplo, a matéria de capa ilustrou o andamento das megaconstruções para os grandes eventos mundiais que serão sediados no Brasil e quais os benefícios que elas podem trazer à juventude. 

A experiência de estar na revista, a convivência com os colegas e a sensação de contribuir desde cedo com uma transformação de pensamento do adolescente levaram Thalita a ingressar na faculdade de jornalismo. “Aprendi a me comunicar e a me expressar, cresci profissionalmente e pessoalmente”. Segundo Lílian, essa experiência também expandiu os horizontes da maioria dos jovens que compõem o time da revista e de outros projetos educomunicativos. 

O principal mérito da educomunicação é fazer com que os jovens aprendam na prática. Para a jornalista, “produzir educomunicativamente nos tira do lugar de conforto ou passividade e nos coloca como agentes e produtores da comunicação que queremos”. Ela ainda cita Paulo Freire, que pregava um método educacional segundo o qual o educando deveria ser o principal agente da sua própria educação. “Ao mesmo tempo em que o jovem produz, aprende sobre o que produz e aprende a produzir”, finaliza. 

Os alunos que quiserem participar da Viração podem entrar em contato pelo site. Educadores também podem solicitar parcerias com suas escolas no mesmo endereço.

Conheça também o blog da Thalita 


Fonte: Instituto Claro 08/02/2013 (https://www.institutoclaro.org.br/blog/projeto-educomunicativo-produz-revista-colaborativa-pela-web/)

Orientações para implementação de Projetos Educomunicativos

Orientações para implementação de Projetos Educomunicativos de acordo com Carlos Mendes Lima, Professor da Rede Municipal de Ensino de São Paulo e coordenador do Projeto "Nas Onda do Rádio".


http://www.blogandonasondasdoradio.blogspot.com.br/
Proposta
A proposta do Guia de Implementação de Projetos Educomunicativos é orientar o professor para implementação e desenvolvimento de projetos educomunicativos

Projetos

Programa Nas Ondas do Rádio apoia a implementação de projetos desenvolvidos em todos os suportes midiáticos contemplando as diversas modalidades da Educação Básica.
São projetos apoiados pelo Programa Nas Ondas do Rádio:
·         Rádio Escolar
·         Produção de Vídeo Escolar
·         Jornal Mural
·         Jornal Comunitário
·         Fanzine
·        Fotográfia
·         História em Quadrinhos
·         Mestre de Cerimônia Juvenil 

Baseados em princípios da Educomunicação, os projetos devem  promover o protagonismo infanto – juvenil, a expressão comunicativa e criativa, o trabalho colaborativo e o uso de recursos de Tecnologia de Informação e de Comunicação -TIC.

Perfil do Gestor do Projeto

O desenvolvimento do projeto  na unidade escolar  depende  da participação do professor que tem a função de liderar o grupo de alunos, assessorar pedagogicamente, mediar a produção midiática, organizar as ações, prover o pleno desenvolvimento do projeto e articular com as diversas áreas de conhecimentos e programas desenvolvidos na escola.
Como pré-requisito fundamental, o conhecimento da(s) mídia(s) que irá desenvolver o projeto e suas tecnologias. O conhecimento pode ser adquirido através de cursos de formação continuada oferecido pelo Programa  ou conhecimentos adquiridos em instituições  não vinculadas a Rede Municipal de Ensino de São Paulo.
O professor gestor do projeto deverá conhecer os processos  metodológicos da Educomunicação e desenvolvê-los  no seu projeto com os alunos.

Requisitos para desenvolvimento do projeto

Poderá desenvolver projetos educomunicativos durante a ampliação da jornada escolar professores da Educação infantil e do Ensino Fundamental e Médio que possua os seguintes pré – requisitos:
·         Tenha carga horária semanal abaixo de 70 horas semanais somadas as horas de desenvolvimento do projeto;
·         Ser professor e esteja atuando  EMEI, EMEF, EMEFM, CIEJA, EMEBS;
·         Não esteja realizando outro projeto com os mesmos alunos.

Tramitação para aprovação do projeto

Para iniciar o projeto na unidade escolar é necessário que a proposta do projeto seja aprovada no conselho de escola e tenha apoio da comunidade.
Para formalização da proposta o professor deverá  escrever um projeto  amparado pelas recomendações das legislações vigentes ( Portaria do Programa Nas Ondas do Rádio eAmpliar).

O projeto deverá ser encaminhado pelo gestor da escola a supervisão  que após analise aprovará seu inicio.

Infraestrutura

Com a introdução de recursos tecnológicos  de informação a produção midiática consolidou o uso dos computadores e suas tecnologias  como acessório indispensável.
Além desse recurso, para possibilitar a produção midiática em qualquer suporte, é necessários os seguintes equipamentos:
·         Máquina fotográfica digital
·         Filmadora Hd com entrada de microfone
·         Pedestal de câmera
·         Microfone com fio
·         Pedestal de microfone
·         Mesa de Som
·         Caixa ativa e passiva 250 watts
·         Pedestais para caixas acústicas ativa e passiva
·         Ou suporte de parede que permita inclinação lateral e diagonal
·         Gravador digital
Quanto ao computador, preferencialmente notebook, deverá estar equipado com seguintes softwares:
Audacity (Editor de áudio)
Movie Maker (Editor de vídeo)
Gimp (Editor de imagens)
Zara Radio (Programador de Rádio)
Vdownload (recurso para download de video)
Prism (Conversor  de áudio e vídeo)
Scribus (Editor gráfico)
Muan (Produtor de vídeo de animação Stop Motion

Instalação de novos softwares deverão ser solicitados ao setor de SME-TIC, através deformulário próprio. Estes serão avaliados e só após a validação para instalação poderá ser instalado pelo setor de TIC de SME.

O kit de equipamentos apresentados oferece mobilidade no processo de produção  e os projetos poderão ser desenvolvidos em qualquer espaço na escola que ofereça  condições para reunir os alunos para produção dos trabalhos (Sala de Informática, Leitura, Sala de Aula,Estúdio de Rádio e outros)

Assessoria Técnica Pedagógica

O Programa Nas Ondas do Rádio oferece opções de atendimento ao educador para oferecer consultoria técnica pedagógica. Esta consultoria é realizada por especialista ou técnicos educacionais colaborador do Programa.

O atendimento poderá ser realizado por meio de visitas técnicas as unidades escolares. As visitas consistem em auxiliar o professor no desenvolvimento do projetos , conhecer as boas práticas para divulgação e realizar formação  em formato workshop a professores e alunos envolvidos no projeto.

Para o atendimento é necessário que escola entre em contato com o gestor do Programa na DRE solicitando a visita técnica,informando a necessidade da visita e propostas de datas e horários .

O site do Programa Nas Ondas do Rádio também oferece  uma midiateca com vasto conteúdo informativo e de apoio pedagógico. Além  disso, mantém ambiente onde o professor terá informações sobre dúvidas frequentes . Outra opção para atendimento é acessar nossaRede Social onde mantemos um canal de assessoria técnica on line.

Acompanhamento

Para monitorar o desenvolvimento dos projetos nas unidades educacionais, o Programa Nas Ondas do Rádio realiza visitas técnicas e acompanhamento dos projetos on line.

As visitas técnicas serão realizadas pelos gestores do Programa das DREs e especialistas em Educomunicação de SME.

Quanto ao acompanhamento on line, será realizado com postagens no Blog do projeto. 

Entre as matérias postadas no mês a escola deverá postar uma que apresente o processo de desenvolvimento das atividades promovidas no projeto. Como se fosse um relatório informativo sobre as ações do projeto.

A proposta de acompanhamento on line é facilitar o monitoramento das ações do projeto por SME, DRE, supervisão, gestão escolar, comunidade escolar e educadores da unidade.

Gestão do Projeto

O projeto deverá promover o protagonismo infanto – juvenil e possibilitar a gestão da comunicação e do conhecimento na comunidade escolar.  O professor Educomunicador deverá promover as seguintes ações pedagógicas no projeto:
·         Oferecer formação continuada aos alunos;
·         Desenvolver produções;
·         Publicar e divulgar  projetos de comunicação visando atingir a comunidade escolar;
·         Divulgar as ações do projeto nas Redes Sociais do Programa Nas Ondas do Rádio;
·         Promover  momentos de avaliação coletiva dos projetos de comunicação.
Como ação sistemática, o professor deverá realizar os seguintes procedimentos:
·         Cadastrar o projeto no site do Programa Nas Ondas do Rádio;
·         Postar as atividades desenvolvidas no blog do projeto;
·         Responder prontamente os diagnósticos solicitados pelo Programa;
·         Cuidar pelo zelo dos equipamentos;
·         Manter atualizado o diário de classe do projeto;
·         Garantir o número mínimo de participantes ao longo do ano previsto no projeto;
·         Articular o uso dos espaços e equipamentos na unidade escolar;
·         Manter atualizada as autorizações de imagens e áudio dos alunos.

Participação dos alunos em eventos

O Programa Nas Ondas do Rádio realiza a cobertura jornalística de eventos na cidade com a participação dos alunos de unidades escolares que participam do projeto Agência de Noticias Imprensa Jovem.  Outro projeto é o Mestre de Cerimônia Juvenil que convida alunos que tem habilidade de comunicação com o publico para realizar a apresentação  de eventos.

Ambos projetos servem de parâmetros para  instruir o professor a participar dessas atividades com seus alunos ou outras que necessitem a realização de atividades fora da escola.  São recomendações importantes:
·         Preparo do(s) aluno(s) para participação do evento;
·         Em coberturas jornalísticas do Imprensa Jovem estudar com os alunos o manual de cobertura Imprensa Jovem
·         Solicitar aos pais, autorizações de saída e autorização  de imagens e áudio;
·         Encaminhar todos os dados necessários  solicitados a organização ou coordenação da atividade. Dados importantes:
o    Nome do professor / e-mail / telefone (operadora) /escola / DRE
o    Blog do projeto
o    Nome do aluno / idade / telefone (operadora)
·         Solicitação de transporte contratado por SME para levar o alunos;
·         Solicitação do kit lanches a unidade escolar com pelo menos 15 dias de antecedência, sendo 1 kit para cada 4 horas contabilizada a saída da escola a chegada;
·         Informar num prazo máximo de 48 horas antes do evento, trocas, inclusão ou ausência de alunos e ou professores que acompanharão;
·         Testar todos os equipamentos antes de ir ao evento;
·         Realizar a atividade preferencialmente no horário pós ou pré-aula;
·         Alunos menores de idade só poderão realizar a atividade, incluindo o trajeto de volta a escola, até 19h00;
·         Toda atividade fora da escola deverá ser acompanhada pelo professor ou adulto responsável indicado pela unidade escolar.
No evento os alunos deverão estar uniformizados ou com roupas que identificam o projeto que participam. Durante o evento os alunos deverão ter a seguinte conduta:
·         Utilizar a identificação, seja crachás, pulseiras, bottons, camisetas oferecidas pela escola ou pela organização da atividade e ou evento;
·         Andar sempre em grupo;
·         Entrar apenas em ambientes permitidos;
·         Atender as recomendações do professor para retornar ao ponto de encontro;
·         Utilizar recursos ou ambientes permitidos pela organização do evento previamente informado pelo professor;
·         Evitar comer em local não permitido pela organização;
·         Cuidar pelo zelo pelos equipamentos e só emprestá-lo com autorização do professor;
·         Focar no desenvolvimento da atividade solicitada pelo professor.
Após a atividade, o professor reunirá os alunos para avaliar a participação e desenvolver atividades de publicação e divulgação do conteúdo produzido.

Avaliação do projeto

Avaliar o processo de aprendizado do aluno participante do projeto é fundamental. A avaliação dos projetos promovidos pelo Programa Nas Ondas do Rádio tem como parâmetro os 10 indicadores de qualidade de projetos Educomunicativos. São eles:
1.       Promove o protagonismo infanto-juvenil através da comunicação e das TICS?
2.       Privilegia a participação coletiva dos estudantes?
3.       Garante o direito a comunicação?
4.       Potencializa a expressão comunicativa?
5.       Articula as atividades a conteúdos das diversas áreas de conhecimento e aos Temas Transversais, bem como a outros programas e projetos?
6.       Promove a integração da comunidade escolar?
7.       Realiza a inclusão pedagógica?
8.       Promove a reflexão crítica sobre a presença dos meios de comunicação na escola e na sociedade?
9.        Promove a melhoria na convivência escolar?
10.    Promove o aprendizado através da comunicação?

É importante salientar que a participação no projeto não implica em aplicar notas de desempenho mas oferecer  ao aluno oportunidade para aprimorar o aprendizado na escola.

O aluno poderá participar do projeto nos anos posteriores, desde que esteja estudando na unidade ou seja convidado a participar como membro da comunidade caso tenha finalizado os seus estudos na escola.

O aprimoramento do aprendizado e de habilidades no projeto poderá ampliar sua responsabilidade no grupo, tornando-se multiplicador de conhecimento ou tutor de novos alunos.

Caberá o professor observar o grau de maturidade de alunos mais desenvolvidos e oferecer mais oportunidades e responsabilidade no projeto.

Apoio do Programa Nas Ondas do Rádio as unidades escolares

O Programa atua na rede como fomentador de projetos educomunicativos. O setor ligado ao DOT Pedagógico oferece atendimento as escolas através de:
·         Formação continuada aos educadores da Rede;
·         Assessoria técnica pedagógica;
·         Divulgação dos projetos em toda a Rede via redes sociais e eventos educacionais;
·         Produção e socialização de material de apoio pedagógico.

Benefícios aos professores que desenvolve projetos 

O professor que desenvolve projetos educomunicativos recebe pelas horas  trabalhadas e tem oportunidade de evolução na carreira do magistério. As condições podem ser observadas  nasPortarias do Programa Ampliar e Nas Ondas do Rádio.Para evolução é necessário o encaminhamento ao final do período de desenvolvimento do projeto, de documentação especifica  a qual será encaminhada pela gestão escolar a DRE.

pontuação para evolução profissional  pelo desenvolvimento do projeto é 1 ponto.

Produzido por Carlos Alberto Mendes de Lima 01/11/2012

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...