sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Marília Franco, no Memorial da América Latina

Marília Franco e João Batista de Andrade | Crédito: Lautaro Abâ
A Prof. Marília da Silva Franco, colaboradora da ABPEducom, para a qual coordenou Mesa Redonda durante o VI Encontro Brasileiro de Educomuncação (setembro de 2013), acaba de ser conduzida ao cargo de Diretora do Centro Brasileiro de Estudos da América Latina (CBEAL). Ela foi empossada pelo presidente da Fundação, cineasta João Batista de Andrade. Segue texto sobre o acontecimento, publicado pelo site do Memorial. 


A professora Marília Franco tem uma longa carreira acadêmica, lecionou por quarenta anos na Escola de Comunicações e Artes- ECA-USP, onde ocupou cargos de direção. Ao longo da vida, acumulou vivências relacionadas à cultura latino-americana, como quando foi Diretora Docente da Escuela Internacional de Cine y Televisión de San Antonio de los Baños, em Cuba, de 1989 a 1991, e, mais recentemente, ao se tornar a responsável pelas Oficinas de Pitching do Festival Internacional de Cine Documental de Uruguai, o Atlantidoc , sediado no balneário de Atlantida, às margens do Rio da Prata, no Uruguai (segundo Marília, “pitching é um sistema de captura de projetos cinematográficos para serem produzidos, em que os seus realizadores têm cinco minutos para explicá-los aos produtores/financiadores de modo eficiente e inspirando confiabilidade”). Na sua trajetória internacional foi professora visitante na Espanha, Portugal, Venezuela e Uruguai. 

Na rápida solenidade, João Batista de Andrade lembrou que coincidentemente Marília Franco foi sua aluna no curso de cinema, nos primórdios da ECA-USP (fundada em 1966 com o nome de Escola de Comunicações Culturais). Ela, por sua vez, acabou participando da banca de doutorado do cineasta anos depois. Aqui cabe um esclarecimento: João Batista de Andrade era aluno de engenharia da Politécnica quando foi obrigado a interromper o curso devido ao Golpe Militar de 1964. Como ele já participava de um grupo de cinema, seguiu filmando. Seus documentários da época ganharam grande destaque, como “Liberdade de Imprensa”, de 1967, que foi apreendido pelo Exército no Congresso da UNE do ano seguinte. Portanto, João Batista de Andrade tornou-se professor da nascente escola de cinema da USP por “notório saber”. 

“Depois de muitos anos, escrevi uma tese, chamada “O povo fala” e fui para uma banca direta. Me tornei doutor. Fui doutor depois de todo mundo…”, resumiu o presidente do Memorial. 

O fato dela ter sido convidada por João Batista de Andrade, cineasta de quem foi aluna, membro da sua banca de doutorado e de quem usava os documentários como – “Caso Norte” (1977), por exemplo, se deveu ao permanente contato e parceria que mantiveram ao longo do tempo e a sua experiência na construção de novos projetos como a TV USP, que criou e dirigiu. 

Em sua fala inicial, a professora contou que assumir o CBEAL era o “quarto sonho que nunca ousaria sonhar”. Ela explica: 

“Primeiro, eu não sonhei entrar na ECA. Quando era jovem, ficava pensando no que fazer na faculdade. Pensei em Psicologia, mas não era a minha praia; Ciências Sociais estava na moda, mas eu não queria. Um belo dia li no Estadão sobre a nova ECA. Me inscrevi, fiz a prova, passei e fui fazer Cinema. Quem diria que permaneceria na ECA 46 anos! 

“Segundo, um dia me convidaram para assumir a direção docente da Escola Internacional de Cine e Televisão de San Antonio de los Baños. Foi um mergulho na América Latina. Não é uma escola cubana, mas uma escola de três mundos – América Latina, África e Ásia. Foi a melhor experiência na minha vida… Viver 24 horas por dia com todos os alunos e todos os professores no mesmo lugar, com todos os problemas que essa convivência intensa pode trazer, mas também com todos os projetos, oportunidades e conhecimentos. Uma vez que você tem um contato intenso com a escola de cine, você não sai mais de lá. Me considero da escola até hoje. 

“Terceiro, voltei para o Brasil e me foi dada a oportunidade de criar a TV USP, com Gabriel Priolli e outros companheiros preciosos.Foi uma aventura fantástica, tive uma equipe dos sonhos, todos estagiários, a gloria da minha vida. 

“Por fim, me aposentei há quase um ano, agora sou carta fora do baralho, pensei, mas o João Batista me convidou para realizar o quarto sonho que não sonhei. assumir o CBEAL…” 

Diante de tantos sonhos não sonhados, mas realizados, é de se perguntar então qual é o seu sonho sonhado, professora Marília? Eis a resposta: 

“Olha, eu não tive tempo de sonhar. Me aposentei há quase um ano, em fim de agosto recebi uma homenagem na ECA e, para não falar de improviso, escrevi um pequeno texto que terminava assim: “fui feliz e sabia”. Quando você sonha sonhos não sonhados, é feliz e sabe, não precisa sonhar, não precisa ficar brigando com a quimera… Na verdade, os sonhos me atropelam, sou extremamente privilegiada. Talvez seja muito modesta, não tenha grandes voos, mas, no momento que o sonho se apresenta, quero fazer uma coisa legal, densa, raramente algo que seja só pra mim. Gosto de fazer as coisas com equipes e pessoas, gente que está na mesma vibe que eu.” 

Agora a professora Marília está assumindo o sonho de Darcy Ribeiro, que criou o conceito do Memorial e desenvolveu o projeto cultural daqui, incluindo o CBEAL, a pedido de Oscar Niemeyer. O que a professora Marília acha disso? - 

“E uma enorme honra e responsabilidade realizar o sonho de Darcy no espaço de Niemeyer…A literatura conseguiu com o realismo fantástico. O refresco que deu ao mundo era porque era uma visão não eurocêntrica. A nossa cultura tem um valor em si, ela não precisa ser valorizada segundo valores não latino-americanos… Digamos que isso seja meu “sonho CBEAL”… 

O Centro Brasileiro de Estudos da América Latina foi concebido por Darcy Ribeiro para ser uma espécie de interface entre as três universidades públicas paulistas (USP, Unicamp e Unesp), a Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (Fapesp) e a Secretaria de Estado de Desenvolvimento. Cabe ao CBEAL apoiar os estudos acadêmicos que tenham a ver com a América Latina, em seus diversos campos, bem como integrá-los às atividades intelectuais e científicas do Estado. Mas não só isso. O CBEAL fomenta a pesquisa pioneira e a reflexão sobre importantes processos latino-americanos por estudiosos ligados a instituições nacionais e internacionais. 


Para cumprir a sua missão o CBEAL organiza cursos e seminários, edita livros com os resultados desses encontros e, por meio da Revista Nossa América, divulga as ciências e as artes latino-americanas. Toda essa atividade é apoiada pela Biblioteca Latino-americana Victor Civita, a única brasileira especializada em temas latino-americanos, com 30 mil volumes. Fotos: Lautaro de Lima

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...