sábado, 21 de março de 2015

Candidatos ao Prêmio Mariazinha Fusari 2015




Candidatos nas categorias:
Empresas/Organizações: Intervozes, Unipop e Viração
Pesquisadores: Adilson Citelli - Liana Gotlieb - Marília Franco
Profissionais/gestores públicos: Jaqueline Moll - Ariane Porto - Marcos Sorrentino 




Empresas/organizações



Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social é uma organização que trabalha pela efetivação do direito humano à comunicação no Brasil.
Para o Intervozes, o direito à comunicação é indissociável do pleno exercício da cidadania e da democracia: uma sociedade só pode ser chamada de democrática quando as diversas vozes, opiniões, culturas e raças que a compõem têm espaço para se manifestar.
O coletivo é formado por ativistas e profissionais com formação e atuação nas áreas de comunicação social, direito, arquitetura, artes e outras, distribuídos em 15 estados brasileiros e no Distrito Federal. Cada associada e associado do Intervozes é, ao mesmo tempo, promotor(a) de ações locais e colaborador(a) na formulação e realização de estratégias nacionais adotadas pelo coletivo. pela articulação em torno a políticas democráticas de comunicação, incluindo o movimento por uma nova lei da comunicação, no Brasil.

UNIPOP - Instituto Universidade Popular - Belém – PA. É uma entidade civil, sem fins lucrativos, de Utilidade Pública Estadual (Lei 5.797, de 17/10/94) e Utilidade Pública Municipal (Lei 8.275, de 14/10/2003). 
Nasceu da mobilização de um conjunto de entidades, movimentos sociais e igrejas comprometidas com a teologia da libertação, para ser um espaço plural de formação de lideranças populares, agentes pastorais e fortalecimento da democracia. Ao longo de seus 25 anos de existência tem se legitimado como uma entidade de formação para a cidadania ativa, ecumênica, de educação popular, cujo princípio metodológico básico está no pluralismo político, de gênero, cultural e religioso. Para isso trabalha para formar lideranças democráticas dos e para os movimentos sociais, populares, agentes pastorais e grupos de jovens. Pelo trabalho junto ao movimento popular.

VIRAÇÃO - Tudo começou por aqui, por um projeto social impresso. Uma proposta de revista feita para, com e a partir de adolescentes e jovens de todo o Brasil, e não apenas do eixo Rio-São Paulo. 
E essas primeiras palavras encarnadas no projeto ganharam vida em março de 2003 a partir do slogan: mudança, atitude e ousadia jovem. Outro Paulo, desta vez brasileiro, dizia que “primeiro a gente faz, depois dá o nome”. Sim, Paulo Freire, uma das nossas fontes de inspiração, tinha razão. Fomos fazendo, sem saber ao certo onde chegar. Viração nasceu como umainiciativa pessoal e, aos poucos e logo logo, foi se tornando obra coletiva. Primeiro, como revista, com o apoio jurídico dos Missionários Combonianos e da Associação de Apoio às Meninas e Meninos da Região Sé.
Depois, o projeto foi crescendo, várias organizações foram pedindo para a gente ir irradiando nosso jeito de fazer educomunicação em outras paradas: consórcio social da juventude, escolas, ONGs, Igrejas, secretarias de governos e ministérios. 
Os “Virajovens” foram se espalhando como “Maria-Sem-Vergonha” num jardim. Nesse processo, sempre acreditamos na força do “colaborativo” e do “cooperativo”. Por isso, fomos tecendo parcerias com outras organizações que também assumiam a causa de uma comunicação livre. O ambiente em que foi gerada Viração foi muito fecundo. Estávamos embalados pela grande novidade que representou o Fórum Social Mundial. Estávamos embalados pelo primeiro governo Lula. Era março de 2003. Mas não foi nada fácil chegar até aqui. Ouvimos muitos “nãos”. Foram muitos os tempos de vacas magras. Apresentávamos a Viração para potenciais financiadores e inscrevíamos projetos de sustentabilidade em diversos editais. A cada negativa, comprávamos um vaso de plantas ou flores para amenizar a frustração e transmutar o sentimento deixado pela porta fechada. Mas as portas e janelas, aos poucos, foram se abrindo. A gente foi sendo conhecido e reconhecido, no Brasil e no exterior; no ambiente acadêmico e no movimento social que defende a democratização da cultura e da comunicação. Essa pequena história de vida faz jus à própria palavra “Viração”, que quer dizer, entre tantos significados, justamente: “vira ação”, “sobreviver de forma aguerrida”, “dar certo”.E vale ressaltar que, depois de quase oito anos, continuamos sendo um processo indefinido, inacabado, em constante movimento de renovação e inovação.



Pesquisador




Adilson Citelli - Liana Gotlieb - Marília Franco



Adilson Citelli, Pelo conjunto da obra de pesquisar no campo da Comunicação/Educação

Possui graduação em Letras pela Universidade de São Paulo (1973). Na mesma instituição realizou o mestrado (1982) e o doutorado (1990), ambos na área de Literatura Brasileira. Em 1995 fez a livre docência na ECA/USP, com tese na inter-relação Comunicação e Educação. Em 2007 foi aprovado em concurso público de professor Titular junto ao Departamento de Comunicações e Artes, da ECA/USP. É docente, sob regime RDIDP, dos programas de graduação e pós-graduação da ECA/USP, onde ministra cursos e orienta dissertações e teses nas áreas de Comunicação e Linguagem, com ênfase nas sub-áreas: comunicacão/educacão, educomunicação, comunicação/linguagem. Pesquisador 1C do CNPq. Foi coordenador do PPGCOM-USP. É membro do Comitê Assessor de Comunicação do CNPq. É autor de inúmeros artigos e livros, dentre estes destacam-se: Linguagem e persuasão (Ática, 1994); Comunicação e educação: a linguagem em movimento (SENAC, 2000); Palavras, meios de comunicação e educação (Cortez, 2006); Educomunicação. Construindo uma nova área de conhecimento (Org.com Cristina Costa). São Paulo, Paulinas, 2011; Educomunicação. Imagens do professor na mídia (Org.). São Paulo, Paulinas, 2012.



Liana Gotlieb - Doutora em Ciências da Comunicação pela ECA/USP, Mestre em Teoria e Ensino da Comunicação pela UMESP, Especialista em Didática do Ensino Superior, Pedagoga, Psicodramatista, 
Consultora Organizacional e Pedagógica, Membro Fundador e do Conselho do NCE (Núcleo de Comunicação e Educação da ECA/USP), Co-autora dos livros Diálogos sobre Educação...e se Platão voltasse? (Iglu, 1989), O Professor Universitário: Herói ou Vilão? (Cedas, 1994) e As aventuras de Lana e Drago, o dragão-voador (Iglu, 2004), Co-coordenação e Organização do livro Comunicação e Plano Decenal de Educação: rumo ao ano 2003 Anais do Simpósio Brasileiro de Comunicação e Educação UCBC, CCA-ECA/USP, DEMEC-SP, FISC dez/1994 (Faculdades Claretianas, 1996), Autora do livro Mafalda vai à Escola (Iglu e NCE - ECA/USP, 1996), Coordenadora e co-autora do livro Comunicação e Mercado. Mestrado na Cásper: Orientação e Resultado (Iglu, 2004), Organizadora e co-autora dos livros Comunicação Social. Pós-Graduação lato sensu na Cásper Líbero (Iglu, 2007), Cenários Comunicativos. A Pesquisa na Pós-Graduação da Cásper Líbero (Iglu, 2009) e "Interfaces da Comunicacao, Cultura e Educacao - Um Panorama para (re) pensar a atualidade" (Iglu, 2011). Atualmente desenvolve pesquisa sobre o Adolescente Tardio e sobre o potencial compassivo dos meios de comunicação.



Marília Franco - Marília da Silva Franco associou a educomunicação à área do audiovisual e é graduada em cinema e concluiu o mestrado e o doutorado em Artes pela UNIVERSIDADE DE SAO PAULO. 
Atualmente é Professora assistente doutor do Departamento de Cinema Rádio e TV da Escola de Comunicações e Artes - USP. Publicou 14 artigos em periódicos especializados. Possui 13 capítulos de livros publicados. Possui 22 itens de produção técnica artística. Participou de 92 eventos no Brasil. Ministrou cursos no exterior em Portugal, Espanha, Cuba e Venezuela. Orientou 17 dissertações de mestrado 10 teses de doutorado, orientou 5 trabalhos de iniciação científica e 7 trabalhos de conclusão de curso nas áreas de ARTES, COMUNICACAO, EDUCACAO E LETRAS. Foi diretora docente da Escuela Internacional de Cine y TV em Cuba. Criou e dirigiu a TV USP - CNU-SP. Em 2002 coordenou o Projeto EDUCOM.TV. Atualmente coordena 1 projeto de pesquisa - ARUANDA lab.doc. E pesquisadora do Laboratorio FILOCOM, com apoio FAPESP, coordenado pelo Prof. Dr. Ciro Marcondes Fo. Atua nas áreas de ARTES e COMUNICAÇÂO SOCIAL. Atua também na área de preservação audiovisual através do CPCB - Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro, tendo sido presidente da 1a. diretoria da ABPA - Associação Brasileira de Preservação Audiovisual (2011/12). Em suas atividades profissionais interagiu com 64 colaboradores em co-autoria de trabalhos científicos. Em seu currículo Lattes os termos mais freqüentes na contextualização da produção científica, técnica e artística são: DOCUMENTÁRIO, AUDIOVISUAL DE NÃO FICÇÃO, COMUNICACAO E EDUCACAO, AUDIOVISUAL NA ESCOLA, , TELEVISAO, EDUCOMUNICACAO, TV UNIVERSITARIA, COMUNICACAO NA USP, CINEMA E EDUCACAO, PEDAGOGIA DOS RECURSOS AUDIOVISUAIS E PRODUCAO AUDIOVISUAL. Diretora do CBEAL - Centro Brasileiro de Estudos da América Latina da Fundação Memorial da América Latina.



Profissional/gestores públicos




Jaqueline Moll - Ariane Porto - Marcos Sorrentino 


Jaqueline Moll - por introduzir a educomunicação como macro campo do Programa Mais Educação, do Governo Federal. 
Possui graduação em Pedagogia pelo Centro de Ensino Superior de Erechim (1986), Especialização em Alfabetização pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1997), Especialização em Educação Popular pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1988), Mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1991) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1998) tendo realizado parte dos estudos na Universidade de Barcelona (1997). Atualmente é professora associada 3 da Faculdade de Educação e professora-orientadora no Programa de Pós-Graduação Educação em Ciências: bioquímica da vida e saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É, também, Conselheira do Conselho Estadual de Educação do Rio Grande do Sul. Foi professora colaboradora da Universidade de Brasília. Trabalhou no Ministério da Educação no período de 2005 a 2013, tendo exercido as funções de Diretora de Políticas e Articulação Institucional da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica, Diretora de Educação Integral, Direitos Humanos e Cidadania da Secretaria de Educação Permanente, Alfabetização e Diversidade e Diretora de Currículos e Educação Integral da Secretaria de Educação Básica. Foi professora dos anos iniciais do ensino fundamental e ingressou no magistério superior em 1987 como professora da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos e da Universidade Federal de Pelotas. Seu campo de trabalho e pesquisa educacional tem ênfase na área de políticas públicas e práticas pedagógicas, dialogando e construindo formas de intervenção nos temas da alfabetização, educação de jovens e adultos, fracasso escolar, pedagogias urbanas e relações entre escola e cidade, e, educação integral. Coordenou no Ministério da Educação a implantação do PROEJA (Programa de Educação de Jovens e Adultos Integrado a Educação Profissional) no período de 2005 a 2007 e do Programa Mais Educação, no período de 2008 a 2013, como estratégia para a indução da política de educação integral em tempo integral no Brasil.



Ariane Porto - Graduação em Licenciatura e Bacharelado em Ciências Sociais pela UNICAMP (1988), mestrado em Artes Cenicas pela Universidade de São Paulo (1993) e doutorado em Artes pela Universidade de São Paulo (2003), pos doutorado em Comunicações e Artes na ECA - USP (2012). 
Professora do Instituto de Artes da UNICAMP. Professora convidada da Especialização em Educomunicação da ECA/USP. Sócia Fundadora da TAO Produções Artísticas Ltda e consultora - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Experiência na área de Comunicação com ênfase em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: teatro, comunicação e meio ambiente, cinema, crianças, meios e culturas digitais e meio ambiente.



Marcos Sorrentino - Levou a educomunicação para o Ministério do Meio Ambiente e possui graduação em Biologia (1981) e Pedagogia (1984) e mestrado em Educação (1988) pela Universidade Federal de São Carlos. 
Doutorado em Educação (1995) e pós doutorados no Departamento de Psicologia Social da Universidade de São Paulo e no Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília, onde também foi pesquisador colaborador. Foi Diretor de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente de abril de 2003 a junho de 2008. De outubro de 2012 a março de 2014 foi assessor especial do Ministro da Educação, para a construção da política ambiental do MEC. Tem experiência na área de Educação, com ênfase nos seguintes temas: educação ambiental, políticas públicas e planejamento de futuro na direção de sociedades sustentáveis. Participa, desde os anos 70, de entidades ambientalistas, de cidadania e de educação ambiental. De 1985 a 1988 foi docente no Departamento de Educação na UNESP, campus de Assis. Desde 1988, no Departamento de Ciências Florestais da ESALQ/USP, atualmente como professor livre-docente, coordena o Laboratório de Educação e Política Ambiental (Oca).

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...