segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Educomunicação: precisamos discutir a Reforma do Ensino Médio



O Portal Planeta Educação traz, em sua edição de 23/09/2016, artigo do Prof. Dr.  João Luís de Almeida sobre a reforma proposta pelo governo federal para o Ensino Médio. A ABPEducom acredita que pesquisadores e profissionais da educomunicação precisam conhecer e discutir os aspectos que envolvem essa questão.



Clique aqui e leia o artigo, no Planeta Educação

Veja a íntegra do artigo:

A proposta de reformulação do Ensino Médio (veja o gráfico explicativo das mudanças para entendê-las melhor) encaminhada pelo MEC como Medida Provisória enviada em 22/09/16 ao Congresso e divulgada ontem pelo Ministério da Educação tem, entre as alterações previstas, algumas ideias interessantes e outras polêmicas, em alguns casos, espúrias.

Flexibilização, ensino em tempo integral, aumento da carga horária e, como disse o ministro da educação, Mendonça Filho, protagonismo do aluno, com o estudante tendo a formação neste segmento focada nos seus interesses mais específicos são bandeiras levantadas há anos por muitos especialistas e instituições sérias.

A aplicação de tudo isso, ainda que escalonada ao longo de alguns anos, com apoio dos estados, é que preocupa tendo em vista as sérias dificuldades no plano do mundo real quanto a estrutura física das escolas e preparo dos profissionais para atender de forma digna estas novas demandas.

Além disso, tais mudanças demandam, ao mesmo tempo, valorização dos profissionais, adequação dos currículos não apenas ao que o mercado precisa, perspectiva e planejamento de uso das novas tecnologias nestas formações. Tudo isso, é claro, precisa de respaldo na formação de novos professores pelas universidades e de atualização e preparo dos docentes que já atuam nas escolas no ensino médio.

O que é digno de nota é que o governo, com tais medidas, se aproxima do modelo das high schools americanas, oferecendo a formação base em 1 ano e meio. A concentração do currículo base em apenas 1 ano e meio precisa ser pensada com a devida atenção.

Sistemas de ensino particulares já fazem isso, de certo modo, trabalhando os conteúdos essenciais do segmento em 2 anos e, no 3º ano, revisando o conteúdo total, adicionando alguns tópicos ainda não trabalhados, para preparação do aluno que irá prestar vestibulares ou o ENEM ao final do ciclo do ensino médio.

O adensamento de informações em apenas 18 meses não causará prejuízos a formação global do aluno?

Espúrio nesta reforma e que, certamente deve ser reconsiderado, é a exclusão de áreas do saber de importância na grade básica do Ensino Médio: Artes e Educação Física. Retirá-las do currículo obrigatório significa dizer que a percepção estética, a compreensão da produção humana a partir das diferentes expressões artísticas, o esporte, a qualidade de vida e saúde, temas centrais do estudo das Artes e da Educação Física são secundários ou mesmo desnecessários, o que, certamente constitui uma ação que contraria os interesses do Brasil.

A cultura aliada a educação fornece os subsídios para formação integral dos alunos e lhes permite, de fato, dialogar de forma ampla com o mundo, tornar-se sensível a produção humana e ao próprio artista, num movimento que o torna, acima de tudo, apto ao diálogo em diferentes frentes, usando diferentes linguagens.

A preocupação com a preparação física, o cuidado com a saúde, a qualidade de vida e o combate a ociosidade, a obesidade e a diferentes enfermidades que crescem no mundo todo, além da formação de atletas e do hábito da atividade física são ações relacionadas à educação física. É preciso, portanto, rever esta ação proposta na medida provisória.

Dúvidas quanto ao que teremos pela frente com essa reforma se avolumam, entre as quais podemos destacar:

 Teremos 3 semestres com o cumprimento do currículo básico e, depois, os alunos optam por áreas específicas do conhecimento que mais lhes interessarem, entre as quais, a formação técnica. Como ficariam estes currículos para os 3 semestres finais de cada área? As escolas regulares atenderiam de que forma demandas técnicas específicas?

- Os profissionais do ensino, terão por parte do governo, respaldo quanto a formações para estas novas demandas?

- Os currículos das universidades em que há pedagogia e licenciaturas serão reformulados?

- Como ficam os professores quanto a benefícios e salários? Terão os docentes do ensino médio as necessárias horas para planejamento de suas ações?

- Como acomodar, nas precárias condições que muitas unidades escolares públicas oferecem, as mudanças propostas que preveem maior carga horária e novas atividades e cursos?

- Quanto custará tudo isso? Como vamos pagar pela reforma? Qual o papel dos estados e municípios em relação as alterações? Como ficam as escolas particulares em relação as mudanças?

- Teremos implicações com tais mudanças no ENEM e nos processos de entrada nas universidades?

- Tendo apenas 18 meses para a formação básica não teremos um enfraquecimento da formação ampla do aluno que já traz, do ensino fundamental, lacunas em sua formação?

- No que se refere ao uso das tecnologias em educação, quais são as propostas relacionadas a este plano focado no Ensino Médio?

São ponderações importantes, que precisam ser realizadas, para que medidas que podem ser de interesse e importância, que demandariam muitos anos de discussão no congresso, numa luta corpo a corpo entre grupos de diferentes interesses, não sejam desperdiçadas por conta de ajustes necessários que precisam ser feitos e, principalmente, para que as condições mínimas para sua implementação existam.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...